ProfissionalInvestigaçãoA nossa investigação científicaA realidade virtual afeta o número de espermatozoides móveis

    A realidade virtual afeta o número de espermatozoides móveis

    A Cryos International na Dinamarca realizou um estudo inovador para investigar se a utilização de realidade virtual (RV) para a visualização de material erótico durante a masturbação, influencia a qualidade do ejaculado dos doadores de esperma. Os resultados mostraram que a qualidade era superior ao avaliar o efeito no número de espermatozoides móveis.  


    A qualidade do esperma pode ser afetada pela ação combinada de diferentes parâmetros que podem conduzir à instabilidade na qualidade de um indivíduo. Variáveis como a estação do ano, o IMC, o tabaco, a idade do doador e o período desde a última ejaculação, designado como período de abstinência, podem afetar continuamente a qualidade do esperma. A melhoria da qualidade do esperma de homens inférteis em tratamentos de fertilidade, de pacientes oncológicos que pretendem armazenar esperma antes de serem submetidos a tratamentos, ou de doadores de esperma, como na Cryos, é um tópico de grande interesse e muito importante na área de investigação para a qual pretendemos contribuir.

    Uma investigação anterior (Pound et al. 2002) demonstrou que o tipo e a intensidade do material erótico apresentado durante a masturbação, podem influenciar os parâmetros do esperma. A realidade virtual pode fornecer uma experiência mais imersiva ao utilizador – no entanto, a utilização de óculos de realidade virtual para a visualização de material erótico não foi previamente estudada neste contexto. Com a introdução de óculos de realidade virtual nas cabinas dos doadores na Cryos, concluímos que os parâmetros do esperma dos ejaculados dos doadores podem ser alterados. 

    Leia o estudo completo

     

    Abordagem e metodologia

    O estudo foi realizado nas quatro localizações da Cryos na Dinamarca – Aarhus, Odense, Aalborg e Copenhaga – e incluiu 504 ejaculados de 63 doadores de esperma que consentiram em participar. Todos os participantes do estudo produziram ejaculados com ou sem a utilização de realidade virtual durante cada doação. Durante a masturbação, cada doador foi instruído a visualizar material erótico num monitor tátil ou utilizando óculos de realidade virtual. Para cada segunda doação, os doadores enrolaram um dado para determinar se os óculos de realidade virtual seriam utilizados, enquanto que a próxima doação foi feita nas condições opostas. 

    Óculos de realidade virtual da Cryos utilizados pelos doadores de esperma

    Resultados

    Os principais resultados mostraram que o período de abstinência e a utilização de realidade virtual, influenciaram o número total de espermatozoides móveis no ejaculado. O nível de espermatozoides móveis é um parâmetro importante para a avaliação da fertilidade masculina, uma vez que os espermatozoides devem ser móveis para fertilizarem um óvulo em tratamentos IUI ou ICI. Os resultados indicam que um período entre ejaculações menor do que 24 horas aumenta o nível de espermatozoides móveis no esperma.  

    Esta é uma descoberta interessante que mostra uma clara vantagem da utilização de realidade virtual durante a recolha de esperma numa clínica. Assim, os nossos resultados mostraram uma contagem de esperma, em média, quase 50% mais elevada no período de abstinência mais curto que estudamos (14 horas). É esperado um efeito ainda maior em períodos de abstinência menores. Numa perspetiva mais ampla, sugerimos que a utilização de realidade virtual pode melhorar a qualidade do ejaculado não só de doadores de esperma, mas também de homens que produzam amostras para tratamentos de fertilidade ou armazenamento de esperma antes de começarem um tratamento oncológico.